Home

Depoimento de Ramon Alcaraz, Diretor executivo da Fadel Transportes sobre o trabalho desenvolvido pela Allure Desenvolvimento Humano

Foram 168 pessoas envolvidas em um dia inteiro de atividades: Circuito com vivências outdoor, teatro e o Lego Humano.

Foram 168 pessoas envolvidas em um dia inteiro de atividades: Circuito com vivências outdoor, teatro e o Lego Humano.

20131207_123324 20131207_131051 20131207_131107 20131207_131454 20131207_131548 20131207_131650 20131207_131651 20131207_131738 20131207_131905 20131207_132026 20131207_132031 20131207_132037 20131207_132049 20131207_132053 20131207_132142 20131207_132149 20131207_132156 20131207_132306 20131207_132324 20131207_132327 20131207_132331 20131207_132336 20131207_132345 20131207_132351 20131207_132353 20131207_132412 20131207_132453 20131207_132809 20131207_132848 20131207_132956 20131207_133002 20131207_133017 20131207_155508 20131207_155529 20131207_155536 20131207_155624 20131207_155632 20131207_155633 20131207_160547 20131207_160559 20131207_165115 20131207_165120 20131207_165137 20131207_165143 20131207_165446 20131207_165458 20131207_165504 20131207_165509 20131207_165516 20131207_165521 20131207_165528 20131207_165531 20131207_165539 20131207_165543 20131207_165549 20131207_165555 20131207_165558 20131207_165603 20131207_165607 20131207_165610 20131207_165614 20131207_165620 20131207_165640 20131207_165649 20131207_165724 20131207_165728 20131207_165822 20131207_165829 20131207_165840 20131207_165846

a arte de deixar ir 1

20130910_111356 20130910_111321 20130910_111301 20130910_11123920130910_111247 20130910_134416 20130910_134511 20130910_181804 20130910_181826 20130911_082212 20130911_082946(0)

http://www.youtube.com/watch?v=X5htSSW6owg

Conhecer mais, aprofundar o relacionamento e saber como lidar com as situações do dia a dia, sendo suportado por uma grande equipe, faz toda a diferença”Imagem28Imagem69IMG_2010Imagem7

Cultura parece que é algo intangível, difícil de entender com uma simples leitura de cenário, com um memorando ou um jornal escrito a respeito do tema. Cada empresa, país, família, apresenta um tipo de cultura. Para entender é preciso “mergulhar”, conversar com as pessoas, olhar para os símbolos que estão demarcados (Como o tempo é gasto, como as promoções e a saída de pessoas são realizadas, como são os ambientes comuns de escritórios, estacionamento, títulos), para os comportamentos  das pessoas (dos líderes e influenciadores, da coerência entre “agir” e “falar”, dos exemplos seguidos, do respeito ao que é acordado, das reuniões, conferencias, emails) e para os sistemas e processos (Como o planejamento e o orçamento são elaborados, como são as revisões de desempenho e reconhecimento, a Comunicação interna e a forma como se comunica uma promoção) são realizados.

 Será que existe uma ferramenta eficaz para medir isso?

Em todos estes anos de experiência de consultoria e de atuação em grandes empresas, a Allure procurou diversas fontes de conhecimento para ampliar a gama de ferramentas e explorar este caminho de diversas facetas.

Imagem

Pesquisamos grandes nomes como Richard Barrett, Hofstede, Robert A. Cooke e J. Clayton Lafferty (OCI ). Todos eles trazem  contribuições para que tenhamos um maior entendimento a respeito do tema.

De uma forma bastante resumida, trazemos algumas informações sobre as metodologias:

Barrett desenvolveu um modelo ampliado da hierarquia das necessidades de Abraham Maslow: “Os Sete Níveis de Consciência”.  A partir de seus estudos, elaborou uma ferramenta sistêmica que aborda os comportamentos mais frequentes das pessoas nas organizações e sua evolução ao longo do tempo.  Nesta perspectiva é possível analisar em quais dos níveis os colaboradores e as organizações estão situados, e qual o gap entre a cultura atual e a desejada. O maior foco de Barrett são os comportamentos humanos que influenciam a dinâmica de relacionamentos dentro das organizações e que ditam a cultura estabelecida. A partir dos Sete Níveis de consciência, e do comparativo entre a fotografia atual e o que é esperado para o futuro, há como mapear junto com os líderes e as pessoas da organização, as ações para obter uma evolução das relações a partir de uma consciência mais ampliada.

Os Sete Níveis de Consciência

Imagem

fonte: Criating, cultura de valores e inovacion

 

Para Hofstede não existe um método de gestão universal nem uma teoria de gestão no mundo. A própria palavra “gestão” tem diferentes origens e culturas nos diferentes países. A gestão não é um fenômeno que possa ser isolado dos outros processos que decorrem na sociedade. Interage com aquilo que acontece a nível familiar, escolar, político e governamental. Está relacionado com a religião e as crenças sobre a ciência.

A diferença entre a cultura nacional e a organizacional reside no fato de que as culturas nacionais têm como elemento central os valores, os quais são adquiridos na família, na comunidade e na escola. Já as culturas organizacionais, diferenciam-se pelas práticas aprendidas a partir da socialização no ambiente de trabalho. Sua metodologia descreve cinco dimensões:

Distância ao poder – Relação hierárquica – a forma encontrada por diferentes sociedades/organizações para lidar com a questão fundamental de gerir as desigualdades entre os indivíduos.

Individualismo x coletivismo – quando a cultura é conectada ao individualismo ou ao coletivismo

Masculinidade x Feminilidade – Uma cultura mais assertiva e de aquisição de bens ou uma cultura mais voltada para pessoas, sentimento e qualidade de vida.

Evitar x incerteza – Grau de ameaça percebido por membros de uma cultura em situações incertas ou desconhecidas – sentimento de desconforto e grau de ameaça percebido por membros de uma cultura em situações incertas que reflete no sentimento de desconforto ou insegurança.

Seguindo estas premissas, Hofstede guiou uma pesquisa em diversas empresas e países, sendo capaz de mapear como que as pessoas se movimentam em termos destes comportamentos. A diferença do modelo de Barrett é que ele realiza este trabalho a partir da estratégia de cada organização, ou seja, busca-se estabelecer um caminho para atingir a  cultura organizacional desejada mediante a visão e os objetivos organizacionais.

Robert Cooke e Richard Potter (PHD), a partir de seus estudos e metodologia, buscam entender como a cultura organizacional  manifesta-se  em normas e expectativas de comportamento, com foco em 12 conjuntos de normas comportamentais associadas com estilos culturais construtivo, passiva / defensiva e agressiva / defensiva. Esta metodologia já foi aplicada em mais de 60.900 entrevistados e trouxe informações profundas dos símbolos, comportamentos, sistemas e processos mais representativos para determinada organização. Além de focar em temas que são peculiares em cada organização, traz uma base de dados grande para que se possa analisar sob o ponto de vista estratégico, o comportamento de organizações do mesmo segmento.

Imagem

As bases conceituais são diversas e nos apoiam a ter uma compreensão mais profunda sobre as estruturas organizacionais. Entretanto, sabemos que as pessoas de cada organização são únicas, e são elas que formam a cultura organizacional, nas relações que estabelecem entre si, e na forma que assimilam e concretizam as diretrizes e estratégias traçadas. A grande riqueza é que cada movimento deve ser construído com quem realmente impacta na cultura organizacional, ou seja as pessoas. Outro ponto que não podemos deixar descoberto é a estratégia da organização, seus fundamentos e como que a cultura poderá apoiar a organização nos movimentos necessários para manter-se no mercado de forma sustentável. Ser sustentável é ser uma organização  consciente das correntes que permeiam a sua cultua, sabendo agir de forma construtiva e criando caminhos conjuntos com equipes e líderes, na busca de maior efetividade para as pessoas que concretizarão os resultados.